Agentes da Polícia Federal deflagraram nesta terça -feira (5) a operação Libertatem. De acordo com a PF, o Município do Cantá, município foi motivador para essas operações, segundo nota da PF.

A operação é decorrente do que ocorreu em 2015 e 2016. Após a análise de todo material apreendido nas duas fases anteriores, constatou-se que os desvios de recursos públicos federais também ocorriam em outros 10 Municípios do estado de Roraima, no período de 2012 a 2016.

Senhas de contas e sistemas das prefeituras foram apreendidas em poder de empresas contratadas pelas prefeituras. Foi encontrada planilha de divisão de ganhos em licitações entre as empresas aparentemente “concorrentes”, que participavam do conluio criminoso para desvio de recursos públicos federais.

O modus operandi do desvio era similar na maioria dos municípios investigados, através de montagem fraudulenta de processos licitatórios, falsificação de documentos, fraude na licitação e corrupção de servidores públicos.

Os investigados responderam por crimes de fraude à licitação, corrupção, associação e organização criminosa. As investigações continuam e avançam para desvios de recursos públicos atuais.

Ao total da Operação Libertatem (I, II e II) foram cumpridas 141 Mandados de Busca e Apreensão e 116 Mandados de Condução Coercitiva, 3 prisões, 20 afastamentos de servidores públicos e apuração de desvios de recursos públicos no valor de 50 milhões de reais.

O nome Libertatem remete ao termo liberdade em latim, em relação à cessação da submissão da população dos municípios de Roraima à organização criminosa investigada