A presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministra Cármen Lúcia, aceitou pedido da Polícia Federal para estender o prazo das investigações contra os senadores Romero Jucá (PMDB-RR) e Renan Calheiros (PMDB-AL). A PF (Polícia Federal) queria 60 dias, mas a presidente concedeu apenas 30.

“Pelo exposto, para evitar dilações processuais indevidas, defiro o prazo de 30 (trinta) dias para a conclusão das investigações”, afirmou Cármen no despacho (eis a íntegra).

O inquérito foi instalado com base na delação de 3 executivos da Odebrecht: Marcelo Odebrecht, Cláudio Melo Filho e José de Carvalho Filho.

Eles afirmaram que os senadores receberam propina para atuar em favor da empreiteira durante a tramitação da medida provisória 627/2013, com a qual se almejava alcançar benefícios fiscais que favoreceriam subsidiárias da Odebrecht que atuavam no exterior.

Os colaboradores relataram o pagamento de R$ 5 milhões a Jucá. Segundo eles, Jucá afirmava falar em nome também do senador  Renan Calheiros. Ambos teriam feito ajustes de interesse da Odebrecht na legislação no momento de conversão da medida provisória em lei.

A presidente do STF também concedeu mais 30 dias para a Polícia Federal concluir as investigações contra o senador tucano Cássio Cunha Lima (PB). Delatores da Odebrecht disseram que ele recebeu R$ 800 mil em caixa 2 na campanha de 2014 ao governo da Paraíba.

 

Fonte: Poder 360

 

Foto: Sérgio Lima / Poder 360