O Governo Suely Campos (PP)  criou uma Coordenação Geral de Sindicância e Processo Administrativo Disciplinar (CGPAD) no início do mês, que vai integrar a estrutura do Secretaria Estadual de Gestão e Administração (Segad). Pelo menos 21 cargos novos, de confiança (comissionados) foram criados na estrutura do novo setor da Segad, além de outros que, na publicação do Diário Oficial do dia 2 deste mês, não ficaram claros na descrição se passam a integrar o quadro de funcionários do órgão.
A medida foi sancionada pela governadora no mesmo dia da data de publicação, no DOERR. O custo total aos cofres públicos com a folha de pessoal dessa nova coordenação na Segad será de pelo menos R$ 261.429,40, fora o percentual previsto na Lei Nº 1247/2018 referente a uma Gratificação de Produtividade para os membros da CGPAD, até limite de 20% (vinte por cento) do valor previsto no art. 5º da referida Lei, por processo efetivamente concluído.
O responsável pelo cargo de Coordenador Geral de Recursos Humanos e Direção Superior (CGRH) por exemplo, receberá o valor de R$ 9.972,27 para exercer a função. Quantia comparável ao salário de R$ 9.650,44 de um professor com doutorado, da Universidade Estadual de Roraima (UERR).
Conforme o presidente do Sindicato dos Trabalhadores Civis Efetivos do Estado de Roraima (Sintraima), Francisco Figueira, isso pode gerar um impacto no orçamento do Estado. “Estamos avaliando se isso será benéfico ou não a estrutura do executivo, mas em um orçamento que já se encontra inchado, me parece uma medida meio equivocada, apesar de todo o serviço descrito na nova coordenação com as funções já existentes. Porém percebi que vários cargos novos, foram inseridos nessa coordenação. E a gratificação de até 20% por produtividade é outro ponto estranho dentro dessa estrutura  anunciada”, pontuou Figueira.
Outro lado 
O BNC Roraima entrou em contato com o governo para obter informações sobre a  criação de uma nova coordenação e de novos cargos, mas até o encerramento desta matéria não houve nenhum retorno.