Uma auditoria da CGU (Ministério da Transparência e Controladoria Geral da União) localizou que cerca de 346 mil cadastros do Bolsa Família foram fraudados. Divulgado nesta quinta-feira (4), o relatório mostra que o governo pagou indevidamente R$ 1,3 bilhão a pessoas que não tinham direito ao benefício em 1 período de 2 anos.

De acordo com a CGU, 18,5% dos cadastradas, o que representa 2,5 milhões de famílias, têm algum indício de inconsistência cadastral. No cruzamento com outras fontes de informação, técnicos identificaram que as famílias teriam informado uma renda per capita inferior à que efetivamente possui para ter acesso ao benefício.

Criado em 2003, o público-alvo do programa são 13,5 milhões de famílias que vivem em situação de pobreza ou extrema pobreza. O valor médio do benefício é de R$ 179.

O Ministério do Desenvolvimento Social bloqueou o benefício de 1.468.681 famílias com suspeita de irregularidade. Nesse caso, elas precisarão refazer o cadastro para continuar recebendo.

Fonte: Poder 360

 

Foto: Estadão