O ministro do Supremo Tribunal Federal Luís Roberto Barroso intimou neste sábado (10) o diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segovia, a dar explicações sobre entrevista dada à Reuters. Segovia afirmou que a PF tende a pedir o arquivamento do inquérito de Michel Temer a respeito do Porto de Santos. “Tal conduta, se confirmada, e? manifestamente impro?pria e pode, em tese, caracterizar infrac?a?o administrativa e ate? mesmo penal”, disse o ministro.

O diretor da PF é indicado de Temer ao cargo.

Leia a íntegra do despacho.

O processo trata de 1 possível favorecimento à empresa Rodrimar no porto, área de influência do presidente. Barroso é o relator do inquérito envolvendo Temer na Corte.

O ministro justificou o pedido com base em 3 argumentos:

  • a investigação contra Michel Temer ainda está em curso e a declaração ameaça “de sanc?o?es o Delegado responsa?vel, que deve ter autonomia para desenvolver o seu trabalho com isenc?a?o e livre de presso?es”;
  • o procedimento tem diversas dilige?ncias pendentes, raza?o pela qual na?o devem ser objeto de comenta?rios pu?blicos;
  • na?o recebeu relato?rio final do Delegado encarregado, na?o recebeu parecer da Procuradoria-Geral da Repu?blica, responsa?vel por sua instaurac?a?o, nem qualquer pronunciamento do relator.

O diretor da PF afirmou que “em momento algum disse à imprensa que o inquérito será arquivado”. Segundo ele, afirmou que a equipe tem “autonomia e isenção” para tocar o caso. Segovia deve ir ao gabinete do ministro na 4ª feira (14) com a transcrição da entrevista completa.

Advogado de Temer 

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) anunciou neste sábado (10) que entrará com duas representações contra o diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segóvia. Randolfe vai acionar a Comissão de Ética da Presidência e a Procuradoria Geral da República para apurarem a conduta de Segóvia.

Na opinião do senador, o diretor-geral da PF não age com autonomia, mas como um “advogado de defesa” do presidente Michel Temer. “Esse senhor exorbitou nas suas atribuições com as declarações que fez”, afirma o senador em vídeo divulgado por sua assessoria de imprensa.

 

Fonte: Poder 360 e Congresso em Foco