Deputados federais de todo ´país gastaram ao menos R$ 208,5 milhões em cotas parlamentares em 2017. “Ao menos”, porque eles têm até 90 dias para lançar os gastos, o que ainda lhes dá 3 meses para registrar as despesas do ano passado.

É uma média de R$ 406,5 mil para cada 1 dos 513 deputados, algo em torno de R$ 33,8 mil por mês. É mais do que o teto constitucional de 1 salário de ministro do STF, por exemplo, fixado em R$ 33,7 mil. O valor ainda é menor que o de 2016, quando foram gastos R$ 221 milhões.

A cota parlamentar serve para os congressistas bancarem despesas envolvendo o mandato. O valor varia dependendo do Estado a qual o deputado representa. O menor é para os deputados do Distrito Federal, com limite mensal de R$ 30,7 mil, e o maior para os de Roraima, que podem gastar até R$ 45,6 mil.

Vale lembrar que a cota parlamentar é apenas parte do que os deputados têm a seu dispor. Além do salário de R$ 33.763, eles têm direito a outros benefícios mensais como auxílio moradia de até R$ 3.600 e uma verba de R$ 101.971,94 para contratação de pessoal para o gabinete.

Valores 

As maiores cifras foram destinadas para o que chamam de “divulgação de atividade parlamentar”. Foram desembolsados R$ 52 milhões em despesas como contratação de propagandas na imprensa e a promoção de posts no Facebook, por exemplo.

Em 2º lugar, vieram gastos com passagens aéreas, com R$ 49,8 milhões. Se somados os dispêndios relacionados a transporte (terrestre, marítimo, fluvial e gastos com táxi, estacionamento, pedágio e combustíveis), foram mais de R$ 97 milhões.

 

Fonte: Poder 360 

 

Foto: Dida Sampaio/ Estadão